Foto-metáfora

O céu cinza de Lisboa, num dia frio do comecinho do inverno (dia 22/12/2020)

Adoro o céu quando misturado com verdes e azuis. Mas também quando em tons acizentados. São emoções e sensações diferentes, nem sempre antagónicas.

Acho que é minha foto-metáfora predileta: cabeça nas nuvens, raízes fortalecidas em solo firme.

Céu e terra com suas dualidades complementares, pedacinhos de mim.

Sei que tenho algo de “louca”, mas também sei que percebes o que digo, não é mesmo?

E a tua foto-metáfora, qual é?

Ajuste de rota

Dezembro é o mês de ajuste de rota, por aqui. 😁

E tu, me conta, como e quando fazes os ajustes necessários das tuas metas?

A velha deslumbrada

João, aquele bebezito linducho, agora é um adolescente chato e implicante. (Eu o amo na mesma, fazer o quê?).

Foi ele quem disse, outro dia (ontem!) que sou uma velha que parece ter descoberto a mídias sociais há pouco e usa todos os filtros do Instagram ao mesmo tempo.

Aproveitei para contar que participava das salas de bate-papo quando a internet ainda era discada, que fiz meu primeiro blog no fim do século passado, que em 2005 cuidava de uma comunidade no Orkut, que reclamava que nenhum amigo usava o Twitter (fiz amigos incríveis por lá!), que já fiz arquitetura da informação para os sites da Ipiranga e da Oi… ou seja, uma dinossaura que já andava por aqui quando tudo isso era mato.

Neste percurso, encontrei pessoas maravilhosas, fiz amigos, influenciei pessoas e fui influenciada pelos melhores! Em nossos encontros, discutíamos o futuro da web.

Então, filhote, saiba que a mãe pode parecer uma velhota deslumbrada (porque sou mesmo). Quero ser eternamente deslumbrada pelas fantásticas possibilidades deste admirável mundo novo.

E que eu possa passar adiante um pouquinho que seja deste meu maravilhamento. 😉

Perguntas que nos ajudam na hora de escrever

Estou fixada nesta coisa do CINCO 5️⃣ mas essa dica que eu aprendi há quase 30 anos, quando fiz algumas cadeiras de jornalismo, no curso de Comunicação Social, é tão importante, que abri uma excessão – por isso a brincadeira do 5+1…

👉 A dica de hoje traz as seis perguntas fundamentais do texto jornalístico. Elas compõem o lead, ou melhor, a primeira e mais importante parte da matéria, e têm a função de atrair e conduzir o leitor pelo texto.

❌Não confundir com o Lead, do Marketing Digital, que é o nome usado para aquelas pessoas estão dois passos mais adiantadas na jornada de compras: de desconhecidos > a visitante > a leads > a consumidores > a promotores (mas isso é outra história!) ❌

➡️ Voltemos ao lead jornalístico! Se o nosso texto responder a essas seis perguntas, ele estará completo:

Apesar do lead ser típico do jornalismo, essas seis perguntas garantem uma boa história até para a ficção! A importância de cada uma delas vai depender do objetivo da comunicação. E uma vez respondidas, nos fornecem a base consistente para o nosso texto. 

Então, achas que assim fica mais fácil começar a escrever? 😉

Sobre falar, sobre usar sua voz para comunicar

Muitos dos meus colegas (e não só eles) não gostam de falar em público. A timidez atrapalha e o desconforto acaba por roubar-lhes o prazer da comunicação. A falta de autoconfiança, e o medo do julgamento também são questões a serem consideradas.

Falar em público é inevitável. Precisamos apresentar e defender nossos trabalhos na universidade. Temos de expor nossas ideias acerca de um projeto em uma reunião de negócios. Muitas vezes vamos vender nosso trabalho para possíveis clientes. Então, quanto melhor falarmos, mais chances de sucesso nessas pequenas tarefas teremos.

Photo by Headway on Unsplash

O bom que falar em público é uma habilidade que aprendemos e desenvolvemos como quaisquer outras. É prática. E temos à disposição inúmeras técnicas para ajudar-nos.

Esta não é a minha área de excelência, mas gostava de ajudar neste processo de mudança,

Compartilho dois dos vídeos que me ajudam a falar melhor – é um processo e eu estou a aprender, a melhorar. Espero que eles também lhes ajudem.

E se precisarem conversar, trocar algumas dicas, estou aqui. 😉