Na Praça, os daqui e os de lá passam

Como as pessoas circulam e ocupam o espaço público?* Para responder tal pergunta, separei um par de horas para observar como a Praça Dom Luis I serve de passagem e paragem para as pessoas que circulam pela cidade. Na última sexta-feira, por volta das 17h (16h52, para ser mais exata), atravessei a avenida 24 de Julho rumo à Praça, vizinha do Mercado da Ribeira, conhecido ponto turístico-gastronômico de Lisboa. Como forasteira, me interesso em observar como os locais e os “de fora” circulam pela cidade. Os olhares são tão distintos que é quase possível afirmar, mesmo sem ouvir quaisquer palavras, se são daqui ou de lá.

 

O tempo nublado não deixa Lisboa menos fervilhante, e apesar do céu branco, a temperatura agradável, por volta dos 21º graus, convida a uma volta. O barulho da cidade se faz presente, como um constante fundo musical, e se mistura ao arrulhar dos pombos, numerosos neste pedaço de chão. Outros pássaros cantam, encobertos e incógnitos pela folhagem das árvores. Crianças brincam no cercado, a nordeste da Praça, mas seus risos e gritinhos ecoam por todos os lados. Dois cães correm pela grama, a ignorar qualquer caminhante. Um burburinho mescla todos os sons que, vez ou outra, são abafados pelas buzinas inquietas no cruzamento das ruas.

Os gramados do Jardim Dom Luis I, com suas flores, árvores e palmeiras, desenham e orientam a circulação das pessoas, mantendo uma área externa para passeio público e seis entradas para o centro da praça, onde está a estátua em homenagem ao Marquês Sá da Bandeira, fidalgo da Casa Real e ministro de Estado, nascido em Santarém em 1795. Há bancos em toda a extensão da praça, quase todos ocupados por uma ou duas pessoas, embora seja difícil observar desconhecidos a dividir o mesmo banco, salvo raras excessões.

Pelo chão, traços de um certo descuido com o descarte correto do lixo: inúmeras beatas, palhinhas, pequenas embalagens plásticas, pedaços de guardanapos de papel e outros detritos menores. Tal sujidade parece ser apenas o acumulo do avançar dia, uma vez que o jardim mostra ter seus mínimos cuidados diários. Em contraste com o aparente desvelo dedicado ao jardim, dois homens dormem no gramado, a leste da praça, enfrente ao Mercado da Ribeira. Suas roupas estão desmazeladas, desgastadas, desbotadas; seus rostos, vincados pelo tempo e, talvez, pelas dificuldades da vida. Suas poses, guardadas em mochilas encardidas, servem de almofadas, a oferecer algum mínimo conforto. Parecem alheios a tudo e a todos, entregues a sonhos, pesadelos ou nem mesmo a isso, quem é que vai saber?

Nos bancos da praça, é possível observar alguns trabalhadores a aproveitar minutos de folga: três ou quatro cozinheiros dos restaurantes do Time Out ou do entorno, um entregador do Glovo! com sua grande caixa amarela, dessas que acoplam na mota. Além de vários turistas que, pelas conversas, têm suas nacionalidades expostas: é possível distinguir, ao acaso, italiano, inglês, alemão. Sotaques diferentes de um mesmo português aparecem e somem, conforme passam grupos falantes vindos da rua de trás a caminho da 24 de Julho. Muitos são os jovens que saem das aulas do Etic, com suas vestimentas tão variadas quanto possível. Desses, todos carregam seus telemóveis na mão, muitos com fones de ouvido, em uso ou em descanso no pescoço. Entretanto, não é a faixa etária mais predominante, embora pareça ser a mais barulhenta. Homens e mulheres de todas as idades caminham na mesma direção: da rua Dom Luis à avenida 24 de Julho, vindos na sua maioria do lado noroeste da praça. Turistas denunciados por suas câmeras em punho, fazem o caminho contrário: saem da avenida em direção ao centro da praça, chamados, talvez, pelo Marquês Sá da Bandeira, ou apenas a procurar algo no Quiosque do Cais.

O Quiosque tem suas mesas quase todas ocupadas por eles, os turistas, a não ser por duas jovens estudantes que usam o espaço para colocarem em dia algum pedaço de matéria, orientadas por um manual escolar – e pelo fragmento de conversa, afirmar que estudam a História de Portugal não seria leviano. Aqui, o barulho da cidade parece ainda mais distante.
I shound’t I wouldn’t, de Jojo Effect, embala as conversas, sem que seu volume atrapalhe qualquer coisa. A fumaça de tabaco é constante, embora, por duas vezes tenha dado espaço para o agradável cheiro da fumaça de um cigarro eletrônico. Poucas pessoas comem, parecem preferir os copos: nas mesas, o Imperial Superbock de 0.40 é o mais pedido, seguido pelo café e uma ou duas taças de vinho tinto. Um único empregado de mesa se desdobra a atender toda a esplanada. Apesar do movimento, ele parece se sair muito bem.

Foi ao pedir um café, que abri espaço para que ele puxasse uma conversa. Meu inegável sotaque carioca o fez se abrir e me contar parte de sua história intrigante, que agora divido com vocês.

Rodrigo tem 28 anos. Largou seu trabalho como piloto comercial de aviões para buscar algum sentido na vida, segundo ele mesmo conta. Há cinco anos viaja pelo mundo. Primeiro, América Latina, carimbando seu passaporte por todos os países. Diz ele que, antes de partir para outro continente, se viu na obrigação moral de conhecer seu próprio e gigantesco país. E assim o fez: visitou 500 municípios brasileiros. Parte dessa aventura está registrada em um blog. Há um ano, chegou à Inglaterra; e há quatro meses está em Lisboa para resolver a documentação de sua cidadania, mas se apaixonou pela cidade e promete ficar por mais tempo.

Uma chuvinha fina começa e reduz significativamente o movimento na Praça. Alguns poucos turistas não se incomodam e continuam em seus copos. O céu escurece pelas nuvens pesadas  do aguaceiro que se anuncia, e pelo avançar das horas: já passa das 18h. É tempo de fechar o cadernos de notas e voltar à casa.

>>> Este texto é um exercício de observação não-participante, de tema livre, proposto em sala de aula e feito no dia 20 de abril de 2018.

Going grey! Sim, assumi os fios grisalhos

Minha mãe dizia que aos 17 anos já tinha cabelos brancos. Eu, desde os 15, 16 anos, mudo a cor dos meus cabelos. E já os pintei de quase todos os tons. Já fui loira com mechas, ruiva de diversas tonalidades, castanho com e sem luzes, preto azulado. Gosto de mudar. É divertido. 
 
Em 2005, passei “máquina 2”, deixando o cabelo mais curto quanto possível, e ao natural. Amei o resultado e me curti grisalha. Mas a ideia era cortar para tirar a tinta preta e poder voltar ao vermelho… Porém, logo depois, me descobri grávida. Engordei 30 quilos e me sentia envelhecida. Naquela época, com tantas mudanças, não consegui “comprar” a briga de ser grisalha aos 35 anos. Tão logo parei de amamentar, tingi os cabelos.
 
Em 2014, fiquei platinada. O loiro mais claro possível, e com ele fui feliz por mais de um ano. Até cortar curtíssimo de novo, um pixie totalmente grey e charmosérrimo. De lá pra cá, deixei crescer, mudei o tom, voltei ao loiro e ao quase platinado. Até que em novembro de 2017, (des)colori os cabelos pela última vez.
 

Ver as raizes grisalhas traz um misto de sentimentos, nem sempre bons.

Selfie feita agorinha, dia 1º de maio de 2018, às 13h

Hoje, revendo o passado penso que, aos 34 anos, 54 quilos, vestindo os tão enaltecidos tamanhos 36/38, usar os cabelos curtérrimos e grisalhos foi uma deliciosa provocação. Afinal, eu era padrão, e recebia da sociedade a permissão de ousar.  Com 13 anos e 30 quilos a mais, bem… a história é um pouco diferente.

Veja bem, eu liguei o foda-se para o que pensam de mim. Mas ainda não desliguei o meu crítico interno. E dizer isso no masculino faz todo sentido: meu crítico interno é macho, cis, branco, classe média.  Ele me diz que não tenho mais idade para certas coisas, que deveria me vestir deste ou daquele jeito, que não deveria me comportar assim ou assado. Ele é um pé no saco!

Acredito que ele participava da Comissão Reguladora dos Padrões Socialmente Aceitos, e fez, com seus colegas, essas regrinhas (idiotas) que muitos seguem sem questionar. Agora, perdendo seu poder, vendo seu templo ruir, ele se apega com força ao que pode… e lá estão todos os meus ganchos, onde ele luta para se manter. Foda, né?

Eu acho lindo todos esses movimentos de mulheres maravilhosas que se cansaram da ditadura da beleza, da juventude, do corpo, do peso, etc, etc, etc. Aplaudo de pé! Há tempos entendi o significado da liberdade de expressão, parei de julgar e abracei as diferenças. (sim, eu já fui muito, muito idiota e preconceituosa, sem ter consciência disso). Se você pensa algo de mim, que bom, saiba que isso diz muito mais sobre você mesmo, e pouco – ou quase nada – sobre mim. Eu não estou nem aí e só aproveito o que me convém, afinal, só eu sei as dores e as delícias de ser quem sou. Por isso digo que não me preocupo com você, mas com o meu crítico interno, cada vez menor e mais sem voz, mas ainda assim, dentro de mim, a me julgar e apontar. Um dia ele morre ou muda, e viramos amigos confidentes, sei lá.

Tudo isso para reafirmar que tem dias que me olho no espelho e me acho linda e corajosa por ter quase um palmo de raiz grisalha gritando ao mundo a minha escolha. Noutros, quero usar um chapéu ou correr para o salão mais próximo (mentira! Sem minha Fernanda Pio, quase não sinto vontade de ir a um cabeleireiro).

p.s.: Estou pensando em aproveitar o verão europeu para pintar a parte loira do cabelo de azul clarinho…

A escada

Essa noite, sonhei que subia uma escada muito alta, levemente bamba, daquelas simples, de metal, que encostamos na parede, sabe?

Só que no meio da subida, ela passou a ser daquelas que têm os degraus de tubos de metal fincados na parede, sabe qual?!

Sentia meus pés inseguros a procurar apoio, mas eu não olhava para baixo, com medo da altura. No alto, uma amigo a me estender a mão, a incentivar a subida.

Em um dos piores momentos, vejo passar por mim um elevador de cargas, simples, sem portas, e penso: “porra, se eu soubesse, esperaria o elevador!”

Essa, senhores e senhoras, é a metáfora da minha vida.

E eu continuo subindo a tal escada.

p.s.: no sonho, eu chegava lá em cima (onde, não sei!).

Dá série: Telemarketing – 01

– Olá, posso falar com a Regina?
– Você ligou errado, não tem ninguém com esse nome aqui.
– Posso, então, falar com a responsável pela casa?
– Pois não, sou eu a irresponsável.
– mas, a responsável não está?
– nunca esteve, senhor… nunca esteve.

old-phones-telephones

 

Foto: Visual hunt

Como a depressão me fez ser uma pessoa melhor

2014 está sendo o caos. Não só para mim, mas ouço e leio muitos dizendo o quanto o ano foi ingrato. #fato!

Dezembro é, por vocação, um mês de pingos nos iiis, listas de decisões, balanços emocionais e planejamentos para o próximo ano. Acho justo colocar no “papel” tudo o que este ano representou, afinal, sempre foi assim que expurguei meus medos e fantasmas.

Foi logo no início de 2014 que descobri estar doente. Segundo o diagnóstico de três diferentes profissionais, eu estava com depressão.

Logo eu, todo alegre, faladeira, exagerada… ninguém nunca diria! Nem eu! Mas sim, eu sofria por dentro. chorava quase todos os dias, não queria levantar da cama, nem sair de casa. Minha criatividade me ajudou muito na elaboração das mais avançadas desculpas para encobrir o que eu sentia. Consegui mascarar minha dor por muito tempo. Até não ter mais forças.

Eu era uma pessoa assertiva, proativa, decidida, mandona, egoísta, consumista, workaholic, sem paciência. É verdade que a maternidade mudou muito disso…

Hoje, dia 26/04/2015, me deparo com um texto que tentei escrever lá em dezembro… ao reler, me emociono e percebo o quanto calei, o quanto doeu, o quanto mudei. Fico ainda mais feliz ao me dar conta do quanto ainda vou mudar, crescer. E se cair de novo, mais uma vez levanto.

Daí, decidi falar abertamente sobre algo meio escondido até então. A depressão me passou uma rasteira. Tentei escondê-la como pude. Talvez com medo de assumir e cair ainda mais. Talvez por não querer me mostrar frágil. Mas também porque nas redes sociais todos mostram o seu melhor lado, o ângulo mais atraente da situação. Muitos chegam a inventar histórias nunca vivida.

Ontem, conversando com amigos, me dou conta de que vivia na Babilônia – uma terra muito doida, com um ritmo frenético, onde ninguém pode errar, todos têm que saber a resposta, mesmo que ainda não tenham feito a pergunta. É a perfeição na superfície que indica seu status quo – mesmo que por baixo dela exista nada além do caos fervilhante. Foi lá que adoeci.