Choque de gerações

Quem ainda não disse (ou pensou!) “no meu tempo era melhor”, ainda vai chegar lá, eu garanto!

Isso porque temos a tendência de romantizar o passado, enfatizando as boas lembranças, ou amenizando as não tão boas (afinal, já passaram, não é mesmo?). Essa relativização faz com que o passado nos pareça bem melhor do que realmente foi.

Nossa memória é seletiva por natureza, isso porque se lembrássemos tudo o que já vivemos, ficaríamos doentes; do mesmo modo que ficamos quando não lembramos de nada. Diz a psicologia que a memória é a base da nossa identidade – com isso já dá para perceber um dos motivos que levam aos imbróglios entre as gerações, não?!

O que define cada geração e quais as suas características

A cronologia é embaralhada: cada autor define um par de anos. Entretanto, o conceito criado lá em 1928, pelo sociólogo húngaro-alemão Karl Mannheim, diz que fazem parte de uma geração não somente aqueles nascido no mesmo período do tempo cronológico, mas sim aqueles que têm a “potencialidade ou possibilidade de presenciar os mesmos acontecimentos, de vivenciar experiências semelhantes, mas, sobretudo, de processar esses acontecimentos ou experiências de forma semelhante”, nos explica a doutora em sociologia Wivian Weller.

Isso é o mesmo que dizer que, mais do que o ano do nascimento, é o contexto sócio-histórico que define as gerações.

Os Tradicionais – nascidos antes de 1945, na faixa acima dos 80 anos, representam cerca de 1,52% dos brasileiros (Homens: 0,59%; Mulheres: 0,93%) segundo o Censo 2010. Hoje, quase todos já estão fora do mercado de trabalho.

Estas pessoas cresceram em um período conturbado da história: a queda da Bolsa de Nova Yorque levou à grande depressão, que afetou a industria cafeeira brasileira. A segunda Guerra Mundial, entre 39 e 45. a Era Vagas e o começo do fortalecimento do trabalhador e dos direitos trabalhistas, com a criação da CLT, em 1943.

Baby Boomers – nascidos no pós-guerra, entre 1945 e 1960, têm hoje entre 56 e 76 anos. Muitos ainda estão no mercado de trabalho, já que a aposentadoria no Brasil hoje varia entre 60 anos para as mulheres, e 65 para os homens. Ainda precisamos levar em conta a longevidade e a melhora significativa da qualidade de vida, que deram um gás para essa turma: não é raro vê-lo cheios de energia e muitos planos para o futuro.

Os Boommer nasceram em um tempo de otimismo: a reconstrução dos países atingidos pela guerra trouxe uma renovação nos ânimos. No Brasil, viveram o milagre de Juscelino Kubitschek, e seus “50 anos em 5”. Nas artes, a Tropicália entra em cena.

As mudanças, para eles, eram eventos pontuais, e logo as coisas voltavam ao “normal”, à sensação de estabilidade.

Geração X – nascidos no período de 1961 e 1980, os X têm hoje entre 41 e 55 anos. contestadora por natureza, essa geração nasceu em meio aos movimentos estudantis, Guerra Fria e ditadura militar no Brasil, de 1964 a 1985. Embora ainda valorizem a disciplina e a estabilidade que seus pais tanto amavam, são mais competitivos e individualistas.

Os Xs viram a internet nascer (quando tudo isso aqui era mato!) e se dividiram entre o ceticismo e a avidez frente às muitas possibilidades que o mundo virtual prometia.

Geração Y – os Millennials não nasceram, propriamente, na viragem do século, e sim entre os anos de 1981 e 1995. Mas cresceram nesse admirável mundo novo, conectado, globalizado, muito mais dinâmico. É a última geração a conhecer o mundo sem internet.

Por todo o contexto de redemocratização brasileira, da instabilidade financeira à retomada da economia, os Y tendem a buscar seus próprios negócios – são empreendedores e procuram seu propósito de vida, com mais consciência ambiental do que as gerações anteriores.

Geração Z – os primeiros “nativos digitais”, nasceram entre 1995 e 2010, num mundo conectado e sem fio: taí o celular, que eles tanto gostam (mas não pra fazer chamadas telefónicas, né?). A GenZ não faz a divisão on/offline – já que estão conectados a todo momento. Vivem a era do Big-Data, são rápidos, ágeis e curiosos.

Seu contexto é o da prosperidade e ascensão. São jovens muito mais engajados em causas sócio-ambientais, indo além: têm no ativismo a amplificação de suas vozes.

Geração Alpha – nascidos a partir de 2010, são touch-screen! Recebem tantos estímulos, que têm tudo o que é necessário para lidar com as grandes transformações que ainda virão.

Big Picture: olhe para o contexto

Como disse Karl Mannheim, mais do que a cronologia, é (também) o contexto de vida que une as pessoas de um grupo. E isso serve para agrupar os indivíduos em suas gerações, como também vai dizer-lhe detalhes do seu consumidor. Nem todos os X, ou os Millennials, agem da mesma forma, ou buscam as mesmas coisas, embora o contexto de vida possa apontar para algumas direções.

Convivemos, e com isso, mesclamos nossos comportamentos com os dos outros – aprendemos coisas novas, ganhamos outros pontos de vista, apoiamos causas, mudamos, evoluímos, transgredimos. Não fomos estáticos como padrões escritos.

Ah, Bia, assim você complica: não existe um ponto em comum a todos de uma mesma geração?

Sim, e não. Porque somos flexíveis e até as identidades mudam conforme as necessidades, o contexto. Por exemplo: sou uma GenX cinquentona, às vezes, eu me apresento como mãe de um adolescente; noutras, como mestranda; algumas vezes, como migrante. Embora essas Bias sejam “camadas” de mim mesma, cada uma me faz escolher determinado produto ou serviço, e cada camada dessa é “fisgada” por um tipo diferente de comunicação. Entende?

As imagens vieram do Unsplash – usei o nome das gerações para buscar um “rosto”.

Na Praça, os daqui e os de lá passam

Como as pessoas circulam e ocupam o espaço público?* Para responder tal pergunta, separei um par de horas para observar como a Praça Dom Luis I serve de passagem e paragem para as pessoas que circulam pela cidade. Na última sexta-feira, por volta das 17h (16h52, para ser mais exata), atravessei a avenida 24 de Julho rumo à Praça, vizinha do Mercado da Ribeira, conhecido ponto turístico-gastronômico de Lisboa. Como forasteira, me interesso em observar como os locais e os “de fora” circulam pela cidade. Os olhares são tão distintos que é quase possível afirmar, mesmo sem ouvir quaisquer palavras, se são daqui ou de lá.

 

O tempo nublado não deixa Lisboa menos fervilhante, e apesar do céu branco, a temperatura agradável, por volta dos 21º graus, convida a uma volta. O barulho da cidade se faz presente, como um constante fundo musical, e se mistura ao arrulhar dos pombos, numerosos neste pedaço de chão. Outros pássaros cantam, encobertos e incógnitos pela folhagem das árvores. Crianças brincam no cercado, a nordeste da Praça, mas seus risos e gritinhos ecoam por todos os lados. Dois cães correm pela grama, a ignorar qualquer caminhante. Um burburinho mescla todos os sons que, vez ou outra, são abafados pelas buzinas inquietas no cruzamento das ruas.

Os gramados do Jardim Dom Luis I, com suas flores, árvores e palmeiras, desenham e orientam a circulação das pessoas, mantendo uma área externa para passeio público e seis entradas para o centro da praça, onde está a estátua em homenagem ao Marquês Sá da Bandeira, fidalgo da Casa Real e ministro de Estado, nascido em Santarém em 1795. Há bancos em toda a extensão da praça, quase todos ocupados por uma ou duas pessoas, embora seja difícil observar desconhecidos a dividir o mesmo banco, salvo raras excessões.

Pelo chão, traços de um certo descuido com o descarte correto do lixo: inúmeras beatas, palhinhas, pequenas embalagens plásticas, pedaços de guardanapos de papel e outros detritos menores. Tal sujidade parece ser apenas o acumulo do avançar dia, uma vez que o jardim mostra ter seus mínimos cuidados diários. Em contraste com o aparente desvelo dedicado ao jardim, dois homens dormem no gramado, a leste da praça, enfrente ao Mercado da Ribeira. Suas roupas estão desmazeladas, desgastadas, desbotadas; seus rostos, vincados pelo tempo e, talvez, pelas dificuldades da vida. Suas poses, guardadas em mochilas encardidas, servem de almofadas, a oferecer algum mínimo conforto. Parecem alheios a tudo e a todos, entregues a sonhos, pesadelos ou nem mesmo a isso, quem é que vai saber?

Nos bancos da praça, é possível observar alguns trabalhadores a aproveitar minutos de folga: três ou quatro cozinheiros dos restaurantes do Time Out ou do entorno, um entregador do Glovo! com sua grande caixa amarela, dessas que acoplam na mota. Além de vários turistas que, pelas conversas, têm suas nacionalidades expostas: é possível distinguir, ao acaso, italiano, inglês, alemão. Sotaques diferentes de um mesmo português aparecem e somem, conforme passam grupos falantes vindos da rua de trás a caminho da 24 de Julho. Muitos são os jovens que saem das aulas do Etic, com suas vestimentas tão variadas quanto possível. Desses, todos carregam seus telemóveis na mão, muitos com fones de ouvido, em uso ou em descanso no pescoço. Entretanto, não é a faixa etária mais predominante, embora pareça ser a mais barulhenta. Homens e mulheres de todas as idades caminham na mesma direção: da rua Dom Luis à avenida 24 de Julho, vindos na sua maioria do lado noroeste da praça. Turistas denunciados por suas câmeras em punho, fazem o caminho contrário: saem da avenida em direção ao centro da praça, chamados, talvez, pelo Marquês Sá da Bandeira, ou apenas a procurar algo no Quiosque do Cais.

O Quiosque tem suas mesas quase todas ocupadas por eles, os turistas, a não ser por duas jovens estudantes que usam o espaço para colocarem em dia algum pedaço de matéria, orientadas por um manual escolar – e pelo fragmento de conversa, afirmar que estudam a História de Portugal não seria leviano. Aqui, o barulho da cidade parece ainda mais distante.
I shound’t I wouldn’t, de Jojo Effect, embala as conversas, sem que seu volume atrapalhe qualquer coisa. A fumaça de tabaco é constante, embora, por duas vezes tenha dado espaço para o agradável cheiro da fumaça de um cigarro eletrônico. Poucas pessoas comem, parecem preferir os copos: nas mesas, o Imperial Superbock de 0.40 é o mais pedido, seguido pelo café e uma ou duas taças de vinho tinto. Um único empregado de mesa se desdobra a atender toda a esplanada. Apesar do movimento, ele parece se sair muito bem.

Foi ao pedir um café, que abri espaço para que ele puxasse uma conversa. Meu inegável sotaque carioca o fez se abrir e me contar parte de sua história intrigante, que agora divido com vocês.

Rodrigo tem 28 anos. Largou seu trabalho como piloto comercial de aviões para buscar algum sentido na vida, segundo ele mesmo conta. Há cinco anos viaja pelo mundo. Primeiro, América Latina, carimbando seu passaporte por todos os países. Diz ele que, antes de partir para outro continente, se viu na obrigação moral de conhecer seu próprio e gigantesco país. E assim o fez: visitou 500 municípios brasileiros. Parte dessa aventura está registrada em um blog. Há um ano, chegou à Inglaterra; e há quatro meses está em Lisboa para resolver a documentação de sua cidadania, mas se apaixonou pela cidade e promete ficar por mais tempo.

Uma chuvinha fina começa e reduz significativamente o movimento na Praça. Alguns poucos turistas não se incomodam e continuam em seus copos. O céu escurece pelas nuvens pesadas  do aguaceiro que se anuncia, e pelo avançar das horas: já passa das 18h. É tempo de fechar o cadernos de notas e voltar à casa.

>>> Este texto é um exercício de observação não-participante, de tema livre, proposto em sala de aula e feito no dia 20 de abril de 2018.