Hotel 04

Ao abrir a porta do quarto, abro uma nova vida. As cores lomográficas, diria até lisérgicas, deste lugar ofuscam por segundos minhas retinas. [confusão] O calor típico da ansiedade. [frio na barriga] A sensação de novidade toma conta. Por onde anda aquela figura, hein? Será que vou esbarrar nele outra vez, por aí? Ou será que ele já se foi, como um caixeiro viajante, mudou de paragens? Que horas são? Pára de perguntar! [inquietação chata!] Vou descer e comer alguma coisa por aqui mesmo. Talvez até converse com alguém no bar do hotel. Preciso de gente, como preciso de ar. Coisa louca, né?! Só agora me dou conta que nem vi direito o meu quarto. Dou meia volta e observo com calma cada detalhe. Lugar amplo, um excelente cômodo, na verdade. A cama, king, no canto esquerdo, com duas mesas de cabeceira a sustentar abajures. Do lado direito, um jogo de sofás brancos cria um outro ambiente. E uma mesinha de centro, sobre um tapete espesso, completa o mobiliário. No corredor, um armário, um espelho enorme, e o banheiro. Um tanto impessoal, acho. Preciso trazer vida pra este lugar. Primeira tarefa do dia (ou noite, sei lá!) – personificar a minha estada. [acho que vou ficar por aqui um bom tempo]. Hora de sair. Vida, aqui vou eu.

Hotel 03

Acordei com o barulho da noite e o burburinho dos outros hóspedes. Quem serão eles? Depois de dezenove horas, devo estar com a cara amassada denunciando as horas passadas na cama. Nem sei se chorei. Sonhei, é certo. Sonho bom, daqueles que dão tesão. Mas, ao mesmo tempo, tive pesadelos. Corredores longos, quase infinitos. Muitas portas. Todas fechadas. Foi um sonho quase profético. Essa é minha missão: abrir as portas, descobrir o que está por trás, e me conhecer… putz! Que viagem mais Santiago… eu só quero me despir, fazer o meu trabalho e parar de inventar personagens. Vou sair pra comer alguma coisa, dar umas voltas pelas redondezas. Quem sabe não consigo a inspiração pro meu primeiro texto. Sempre gostei das ruas, das luzes à noite. Agora pensei que deve ser uma loucura estar dentro da minha cabeça… por isso ando tão zonza. [fome] Estou com fome. E não é só de comida. Estou com fome de idéias novas, de rostos desconhecidos, de histórias a escrever. Pareço louca, não? Minha cabeça não pára. Não sei se você já percebeu, mas está dentro da minha mente. Neste turbilhão de pensamentos que não me abandona nunca. Agora preciso sair. [anda, se arruma] Mas o que usar nesta cidade estranha? [qualquer coisa, vai… sai logo daqui!] Jeans sempre vai bem. Novas idéias começam a surgir. Sabe onde isso vai dar? Tenho uma vaga noção…

Hotel 02

No meio do sono agitado, sonho com você. Queria dormir sem me lembrar de nada. Apenas desligar. Mas sonho. Estranho a cama que, mesmo sendo dura como gosto, não recebe meu corpo com aconchego. Mesmo assim sonho. Os lençóis de algodão esquentam minha nudez. Sempre gostei de dormir pelada… Pela primeira vez eu te vi. Foi ao entrar no hotel. Você estava na recepção, eu pegava as chaves. Achei engraçado o número do quarto: 69. Como minhas intenções não são as melhores, este quarto combina comigo. Ironia, não? É, eu acho irônico vir pra cá me descobrir puta e me apaixonar logo na entrada. Estou sonhando com você. Acho que sempre estive. E nem sei o seu nome. Não sei quem você é. Não sei quem eu sou. Muito menos se estamos disponíveis. Mas, enquanto isso, sonho com você. Pelo menos aqui eu não preciso de respostas. Estou sonhando.

Hotel 01

Eu vou dormir. Espero que respeitem a plaquinha de não perturbe na porta, porque estou exausta. Andei horas a procurar este hotel. Na verdade foram dias. Aliás, minha vida inteira. Fiquei sabendo deste hotel em sonho… acho que foi. Porque o passado me parece névoa, agora. Estou cansada. Queria começar uma vida nova, mudar a ID e tentar algo novo. Nada de codinomes. Nada de personagens. QUERO UM NOVO EU. Mas, pra falar a verdade, já me acostumei com essa velha cara no espelho, e – mesmo sem querer, não respondo pelo meu próprio nome. Há tempos criei uma máscara, um artifício pra ser outra. Só mamãe sabe quem sou. Eu mesma preciso me descobrir. É pra isso que vim pra cá. Cheguei nesta nova etapa. E o hotel é um marco. Sacanagens fazem parte, já aviso. Pretendo ser várias, até me achar. Se na vida me perco, no sexo me acho. Começo de tudo, não? Pois então, que seja. Mas agora, me entrego a Morpheu, pra só depois despertar neste quarto que ainda não vi… 69 é o número.

Abril

Enfim, chegou o fim

– Eu sou muitas. Cuide-se. Estou em todos os lados.

Ao admirar minha cara de santa, você vai estranhar essas afirmações. Mas não perca seu tempo. Gastei o meu na busca de respostas. E o que encontrei foram verdades expostas. Então, rapaz, digo mais uma vez:
Não pense que sou rasa. Sou mil, sou várias, sou todas as mulheres que um dia você pensou conquistar. E evitar.

Você ignorou minhas recusas. Investiu. Conquistou. Você, inocente, acreditou em um poder imaginário, desses que só a ignorância traz. E por meses a fio, você foi o herói solitário que enfrentou os monstros aprisionados em mim. Bravo guerreiro, um menino… você não percebeu, mas as feras devoraram sua alma. Sorrateiras, elas usaram do feitiço mais antigo, o mais manjado: o meu sexo.

Todas as noites que passamos juntos. Elas estavam lá. Cada gozo que vivemos. Elas sentiram também. E assim, ao poucos, invadiram o seu corpo. Levaram sensações no lugar da pele de cordeiro. Você dizia ser amor. Eu sabia ser luxúria.

Abril chegou atrasado pra mim, porque me perdi em você. E eu reafirmo: amei cada momento. Até o fim. Até agora. Despedaçada, encontro o adeus.

http://pensamentoacidental.blogspot.com por Bia Quadros

Exibida


Nas palavras exercito meu lado exibicionista
E faço catarse produtiva.
É uma tentativa de te trazer pra mais perto
E pra me fazer conhecer
Me sinto em desvantagem
Por não ler nos seus olhos
As frases que gostaria de escutar
Me sinto perdida
Por inventar legendas
Pra atos desinteressados

Seriam de fato?

Jogos?! Só os de sedução
Daqueles que dão frisson
Só de repensar a cena
Então… pra que me esconder?
Quando quero me mostrar
Pra que fingir
Se pretendo te agarrar?
Mas não faço mistérios
Já sou misteriosa demais
Sem tentar mostrar
O que não sou
Sou direta sim
Sei o que quero
Sei aonde chegar

* Ui… essa veio do flickr.com/nyki_m