Clube dos Contos, edição 3Parágrafos

O Clube dos Contos nasceu da vontade de ajudar as pessoas a colocarem o papel suas ideias de um jeito lúdico, e sem muitas cobranças.

Um exercício de criatividade para resgatar o hábito de escrever!

Com esse post, comecei uma serie especial lá no Instagram (pedacinhos de uma big picture!) criada para falar do Clube, e fiz o convite: vem comigo!

Como foi o caminho até aqui?

Foram duas edições do Clube dos Contos, em junho e julho, antes das férias verão, que renderam boas histórias!

O Clube parou em agosto para aproveitarmos o verão e curtir o “dolce far niente” tão necessário para reabastecer-nos de criatividade.

O ócio é coisa séria!!! Pratica-o de tempos em tempos.

Um momento para ler, ouvir música, caminhar sem destino… nem sempre a pausa tem de ser grande e não precisas esperar pelas férias: incorpora a pausa no teu dia a dia, ou na semana, para que tenhas um tempo só teu.

A big picture criada no meu perfil do Instagram, depois de todos os posts publicados!

Voltamos em novo formato: Clube dos Contos, edição 3Parágrafos.

Escrever pode ser terapêutico: colocas no papel as emoções guardadas no peito, em busca de alívio, reflexão, entendimento… ou pode ser só uma história aleatória: a profundidade é estipulada so por ti mesmo.

Ficaste curioso?!

Antes de explicar melhor como vamos nos organizar nesta edição 3Parágrafos, quero contar o motivo deste “makeover”.

Volto a estudar em setembro (mestrado & certificação, yeah! ?) e é bem provável que acabe o esquema de teletrabalho (oh, no!), recomeçando a rotina de ir pro escritório.

Com isso, o meu tempo vai ser dividido por muito mais tarefas e penso que não conseguiria dar a atenção que a antiga versão pedia…

O Club dos Contos, edição 3Parágrafos, segue mais solto, mais leve, mas não menos produtivo!

A estratégia é reduzir o passo mas seguir avançando com o Clube, porque respeitar o nosso ritmo é o mais importante.

É sinal de comprometimento e autoconhecimento.

E o clube é um compromisso meu comigo mesma, para eu reconstruir meu hábito de escrever. É também um convite para que tu venhas comigo nesta jornada.

É um espaço aberto para o exército da nossa criatividade.

A partir deste mês, o Clube vai ganhar um novo formato, a começar pelo tamanho dos textos: se antes era no bom senso da regra do conto (o suficiente para ser lido de uma vez só) agora vamos reduzi-lo a três parágrafos.

Serão dois temas por mês: ou escolhes um, ou fazes os dois!

E se quiseres feedback, alguma dica ou orientação, nos falamos por DM (lá no Instagram), comentário ou envias-me teu texto por e-mail. ? Prometo responder-te.

Ao longo das semanas, também vou publicar por aqui dicas de escrita criativa.

Diz-me tua dificuldade, que juntos a ultrapassaremos. ?

O Clube dos Contos, edição 3Parágrafos, só tem essa regra: três parágrafos.

Pode ser crônica, conto ou texto livre, pode ser real ou ficção. Sci-fi, Steampunk, Fantasia, Romance, Biográfico, Terror…

Ah! E se publicares teu conto no Instagram, usa a hashtag #ClubeDosContos e marca-me no post.

Ah! Também quero te pedir ideias de temas, assuntos interessantes para escrevermos… (podes deixar tua contribuição ali nos comentários!)

Os contos de Setembro do serão inspirados por fotografias…

Escolhe uma das fotos como referência – ela pode ilustrar o começo ou o final do teu conto. Que história a foto conta-te? Coloca-a no papel…

Primeira opção: Os Três, do Sérgio Jesus, @rocker_pt
Segunda opção: A Porta, do Gabriel Jared, @gabrieljared.jpg

O Clube dos Contos, edição 3Parágrafos, começa agora!

Que as Musas inspirem-te!

Solta a caneta no papel e deixa fluir a criatividade.

Mas se as ideias estiverem pouco nítidas, vamos conversar! Talvez eu posso te ajudar a encontrar o foco mais adequado.

Bem-vindo, bem-vinda, ao Clube dos Contos, edição 3Parágrafos.

Esplanada

Fulano pergunta: Já pensaste sobre o que significa liberdade, pra ti? 

Liberdade? Tipo, fazer tudo o que eu quiser, na hora que quiser, do jeito que quiser? Acho que sim, já viajei nesse delírio juvenil, quem nunca? Embora, no fundo, o velho em mim sempre faça a pergunta: qual o preço a se pagar?

Preço? Então pensas que liberdade implica em responsabilidade, é isso?

Ora, e não? Liberdade sem responsabilidade seria insensatez, não achas? Já imaginaste se não houvessem consequências para os nossos atos?

Saber calcular as consequências, e fazer um “balanço financeiro” deste preço é o que nos faz adultos? Já que colocaste a liberdade sem limites como um delírio juvenil, é isso o que separa os adultos dos jovens?

Assim, na ordem cronológica? Por esta consideração, não conheces adultos tão ou mais imaturos que muitos jovens, pois não? 

Tens razão, a cronologia nem sempre traz maturidade; era disso o que tu falavas: maturidade?

Na verdade, sim, e tenho me perguntado – divido a questão contigo: não seriam as nossas inúmeras escolhas – das triviais às mais significativas – que moldam nossa liberdade, justo porque as fazemos (ou deveríamos fazê-las) com a cautela de quem responde pelas consequências?

Sim, temos este caminho pela frente, e o paradoxo de Neruda: “és livre para fazer tuas escolhas, mas és prisioneiro das consequências”. Já escolheste o que vamos jantar?

Este pequeno conto é fruto das provocações filosóficas da Joana Rita, responsável pelo Clube de Perguntas*. No lugar de falar do clube, vou indicar a leitura do post o que distingue as pessoas perguntadoras das outras pessoas? 😉

Vamos planear nosso conteúdo de Social Media? Vem comigo!

Desde 2010, eu sempre organizo o conteúdo dos meus clientes em calendários. Cheguei a antecipar 60 dias de conteúdo: haja criatividade para fazer 120 posts num só dia!

Enquanto isso, eu mantinha as minhas postagens no Instagram e no Facebook feitas em real time, sempre com foco no pessoal, com pouquíssimas dicas de trabalho. Shame on me!

Já estava mais do que na hora de mudar isso aí…

Bem, para marcar esta nova fase, fiz um Planner de Conteúdo (um arquivo pdf que podes usar no teu computador ou imprimir).

E durante a primeira quinzena de janeiro, estarei à disposição para conversar sobre o planeamento, elucidar tuas dúvidas e trocar ideias. 😉

Além dessas, o planner tem outras páginas para que tu mergulhes no teu conteúdo e possas organizar melhor tuas postagens.

Quer baixar o planner? Ele está completinho no próximo post 😉

Uma curiosidade

A Ginko Biloba que enfeita nosso planner é uma árvore considerada um fóssil vivo, na terra desde os tempos jurássicos! Conhecida por resistir à bomba de Hiroshima, é símbolo de longevidade, esperança, superação, paz e beleza.

Além disso, há uma divertida superstição: se tu conseguires apanhar uma folha de Ginko Biloba a cair da árvore, ainda no ar, sem ter tocado o chão, terás prosperidade para a vida toda! <3

Beijinhos grandes e bom 2021!

Dica de “ritual” de preparação para o ano-novo

Aperta o play!

Separa um tempo pra ti. Pode ser pela manhã, em um intervalo no meio da tarde, ou à noite, quem sabe no jantar? Faz uma lista com três coisas boas que te aconteceram durante o dia – um bom dia que recebeste, um sorriso no meio do caminho, uma sensação agradável, um elogio ou uma boa notícia: aqui, todos os pequeninos e simples acontecimentos diários têm seu valor.

Repete isso, pelo menos, pelos próximos sete dias. Observa como fica cada vez mais fácil “achar” essas boas coisas… e que outras sensações e sentimentos esse pequeno exercício de gratidão desperta-te?

?‍♂️Não tem nada de “mágico” ou esotérico neste ritual. ? A ciência comprova que focar nas coisas boas ancora a nossa mente o que Shawn Achor chama de “Efeito Tetris Positivo”.

? Shawn traz essa e outras técnicas interessantes, além de muitas pesquisas na área da Psicologia Positiva, no seu livro Happiness Advantage (O Jeito Harvard de Ser Feliz, traduzido para o português por Cristina Yamagami, e editado pela Saraiva).

? Agora, preciso confessar um preconceito meu: se não fosse a Livia a recomendar este livro, talvez eu nunca o tivesse escolhido como leitura de encerramento do meu ano. ? Eu sei, eu sei… parece livro cliché de auto-ajuda. ? Mas, vê lá, qual o problema da auto-ajuda, afinal? Se não fizermos por nós mesmos, estamos tramados!

? Então, deixa o preconceito de lado e faz o exercício. Felicidade, como tudo na vida, é prática diária. Depois conta-me sobre tuas impressões.

Vamos a isso? ?

A gratidão

Já é fato comprovado: o sentimento de gratidão abre um mundo de possibilidades. É incrível como ficamos mais leves, mais dispostos, mais vibrantes.

E sintonizados nesta vibração, nos tornamos mais criativos!

? Eu sou grata por poder compartilhar o pouco que sei contigo, daí deste lado. ?

E tu, pessoa, pelo que és grata?

?⠀⠀⠀

Olha ao teu redor: observa!⠀⠀

O que vês?

Quais os sons, os cheiros, os rostos, as construções… qual a cor predominante?

Agora, fecha os olhos e recria essa cena na tua mente.

O qual próxima ela é do real? O que tem de diferente?

Esse pode ser um exercício lúdico para despertar o teu poder de observação.

? Que tal experimenta-lo por uma semana e contar-me o resultado?