Estamos juntos!

 

Por algum tempo, eu me sentia única – mas de uma maneira estranha. Eu me sentia inadequada. E acreditava que só eu era assim.

Aprendi a escrever para organizar os pensamentos. Ao colocá-los para fora, mudava a perspectiva e era capaz (ainda sou) de ordená-los de maneira mais eficiente. Isso sempre funcionou para mim. Até se tornar um hábito de limpeza ~mental~, como escovar os dentes.

Um dia, há muito tempo, resolvi publicar um blog e o chamei de “Pensamento Acidental – o que penso, quando penso“. O compromisso era não ter compromissos: de tema, de dias certos para postagens, ou quaisquer regras preestabelecidas. Isso porque sempre fui meio anárquica, eu acho.

Quando escrevia meus sentimentos, medos e angústias sob o manto protetor da “ficção” em contos e poesias, comecei a receber emails e comentários de outras pessoas que juravam que eu falava delas. Percebi que minha inadequação, minhas particularidades não eram tão únicas assim… Várias outras pessoas sofriam do mesmo, viviam com as mesmas angústias.

Depois de um tempo, comecei a ver com encanto o quanto somos tão iguais e tão diferentes.

Um dia, voltei a achar que “isso – desse jeito – só acontece comigo!”.
Mas, desta vez, eu estava doente.

A vida começou a não fazer sentido, os dias perderam a cor, a luz virou sombra. Só sabia chorar e me encolher. Esquecia das coisas, não conseguia pensar, nem escrever. E logo eu, que falava sobre os mais diversos assuntos e adorava um bate papo, já não conseguia conversar! Eu me sentia tão desinteressante, que me faltavam palavras! Eu estava com depressão.

Comecei a achar que estava fazendo corpo mole para determinadas coisas, que andava preguiçosa e procrastinadora demais. E me envergonhei por isso. É claro que no início, eu tentei esconder de todos o que eu sentia. E, posso dizer, fui muito boa nisso, porque escondi até de mim mesma. Quer dizer, hoje eu acho que alguns amigos mais atentos perceberam que as coisas não estavam tão bem assim…

Segui anestesiada por um tempo. Até que me faltaram forças. E eu cai.

Psiquiátra, psicólogo, neurologista, e alguns tarjas pretas fizeram parte da minha rotina. Ouvi até médico dizer que era falta do que fazer, cabeça vazia demais! (Oi?) Eu sabia que precisava de ajuda, por isso contei para alguns poucos amigos, embora eu ainda me sentisse muito envergonhada. Estava fraca e odiava isso!

Aos poucos fui me entendendo e fazendo as pazes comigo. Percebi que a doença também me trouxe uma ótima oportunidade de repensar a vida, mudar várias coisas que não valiam mais. Voltei a me sentir leve! As cores, o brilho e a luz voltaram. Depois de quase um ano de tratamento, recebi alta da medicação. Isso foi em dezembro de 2014.

De um tempo para cá, tenho pensado que a útima etapa deste longo tratamento é a exposição pública.

Era preciso contar pra todo mundo sobre esse período turbulento, sem grandes emoções. Esta seria uma maneira de saber – de fato! – que ele ficou no passado.

Falar abertamente sobre a minha depressão é também uma forma de dizer para várias outras pessoas que elas não estão sozinhas. E assim, numa corrente do bem, tentar explicar para tantas outras de que a depressão não é uma frescurinha, não é cabeça vazia ou falta de louça para lavar!

Falar abertamente sobre a minha depressão é a minha maneira de te estender a mão e falar: – “vem! Estamos juntos nisso! Vá procurar um médico, vai se tratar, e se quiser, tô aqui para te escutar. Para trocar umas ideias”.

Se eu sobrevivi e estou mais forte, você também pode. Afinal, somos tão iguais: humanos!

 

4 respostas para “Estamos juntos!”

  1. Me enchi de lágrimas aqui… Nunca sofri de depressão, você sabe. O máximo que tive foi tristeza, todavia várias pessoas que tinham depressão passaram pela minha vida, algumas, felizmente, ficaram.

    Digo – felizmente – porque estou convencido que depressão é doença de gente forte, que tem vastos universos interiores, que tem coragem de olhar para o mundo e sabem mergulhar na empatia.

    Me enchi de lágrimas porque aprendi a entender como a pessoa que sofre com a depressão se sente só e, pior de tudo, fraca, inferior e sem perspectiva.

    Dividir essa experiência com os outros com certeza é uma etapa importante para eliminar ou dominar a depressão, mas também é um testemunho vital para quem sofre e acha que está sozinho!

    Hoje você fez um bem à humanidade, Bia! E um desses que fica ecoando, porque a Internet é assim: esse post ficará aqui, talvez para sempre.

    1. Aí você me faz chorar! Sabe, todos os dias eu tenho provas de que escolhi os melhores amigos pra mim! Como sou sortuda!!!

      Você me conhece bem, sabe que não escrevi este (ou qualquer outro post) para ganhar aplausos ou mesmo a simpatia alheia. Escrevo porque gosto, porque preciso, porque é vital para mim. ãs vezes deixo a escrita um pouco de lado, e sofro as consequências… Mas, este post eu escrevi com segundas intenções: como uma mensagem em uma garrafa, que ele encontre quem realmente precisar ler estas palavras, que eu consiga chegar até as pessoas que sofrem caladas com a depressão.

      Escrevi esse post com o coração cheio de amor e esperança. E que esses sentimentos transbordem em cada linha, quando forem lidas.

E você, o que pensa sobre isso?! Comente aí, vai...