Senhora censura

Para tudo o que pensava ou dizia, ouvia: isso não pode.

Rascunhava alguns traços, umas letras. Combinava coisas, bolava caminhos diferentes. Criava teorias desconcertantes. E lá estava ela, imperiosa, a balançar a cabeça impedindo o avanço. Aquela senhora, dona de toda a verdade, continuava em sua cola, a lhe cobrar compostura e razão.

pecado original

Eram velhas conhecidas. Traçaram o mesmo caminho, anos antes. E, desde então, não se separaram mais. Mantinham um certo afastamento, como se uma não quisesse saber da outra. O fato era que, a menor ação de uma, a vida da outra era afetada.

Aos poucos foi se entregando, achando que, assim, a tal dona não se manifestaria. Tolo e infantil engano. Aí é que a senhora se encheu de si e, com dedo em riste, enumerou todas as qualidades que a pequena possuía, mas descartava sem alento. Qualidades estas que um dia foram lhe apontadas como problemas.

A pobre já não sabia o que fazer. Se falava, era criticada. Calada, quase humilhada. Na sua inquietude criativa, nunca percebeu que ela mesma alimentara tal relação. Porque na verdade, a bruxa, a crítica, a vil, era seu próprio reflexo no espelho.

Xô, auto-censura! =P

E você, o que pensa sobre isso?! Comente aí, vai...