Abril

Enfim, chegou o fim

– Eu sou muitas. Cuide-se. Estou em todos os lados.

Ao admirar minha cara de santa, você vai estranhar essas afirmações. Mas não perca seu tempo. Gastei o meu na busca de respostas. E o que encontrei foram verdades expostas. Então, rapaz, digo mais uma vez:
Não pense que sou rasa. Sou mil, sou várias, sou todas as mulheres que um dia você pensou conquistar. E evitar.

Você ignorou minhas recusas. Investiu. Conquistou. Você, inocente, acreditou em um poder imaginário, desses que só a ignorância traz. E por meses a fio, você foi o herói solitário que enfrentou os monstros aprisionados em mim. Bravo guerreiro, um menino… você não percebeu, mas as feras devoraram sua alma. Sorrateiras, elas usaram do feitiço mais antigo, o mais manjado: o meu sexo.

Todas as noites que passamos juntos. Elas estavam lá. Cada gozo que vivemos. Elas sentiram também. E assim, ao poucos, invadiram o seu corpo. Levaram sensações no lugar da pele de cordeiro. Você dizia ser amor. Eu sabia ser luxúria.

Abril chegou atrasado pra mim, porque me perdi em você. E eu reafirmo: amei cada momento. Até o fim. Até agora. Despedaçada, encontro o adeus.

http://pensamentoacidental.blogspot.com por Bia Quadros

Uma resposta para “Abril”

E você, o que pensa sobre isso?! Comente aí, vai...